Santo Antônio da Platina / PR33º21º21 de Outubro de 2018
Jornal Tribuna do Vale - 17/10/2018

Edição ImpressaEdição 3704

Ler Jornal
AGRONEGÓCIO

A capacitação foi ministrada pela consultora em comunicação (credenciada pelo Sebrae), Carmem Benede

Comentar
Compartilhar
17 NOV 2017Por Da Redação com Assessoria19h35
As mulheres rurais têm menos acesso do que os homens aos recursos produtivos, serviços e oportunidadesFoto: FAO

As mulheres rurais são responsáveis por mais da metade da produção de alimentos e também desempenham um importante papel na preservação da biodiversidade e garantem a soberania e a segurança alimentar a partir de uma produção de alimentos saudáveis.

Por outro lado, estudos da FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura) apontam que muitas dessas mulheres vivem em situação de desigualdade social, política e econômica, além de contarem com a titularidade de apenas 30% das terras, 10% dos créditos e 5% da assistência técnica.

Segundo a recente publicação O Estado da Segurança Alimentar e Nutricional no Mundo 2017 (SOFI na sigla em inglês), a brecha de gênero na insegurança alimentar é superior na África (1,5%), seguida pela América Latina (0,7%) e Ásia (0,6%).

A pesquisa também revelou menor diferença entre homens e mulheres na América do Norte e na Europa – 0,1%, enquanto que na escala mundial, os dados mostram uma diferença de um pouco mais de 0,5%; no mundo, 7,3% dos homens sofrem de insegurança alimentar e 7,9% as mulheres.

“As mulheres rurais representam um importante papel na segurança alimentar mundial. Por isso é necessário que os governos adotem políticas públicas específicas voltadas para o empoderamento das produtoras rurais com objetivo de fortalecer a produção, o acesso aos mercados e o direito a assistência técnica”, disse o representante da FAO no Brasil, Alan Bojanic.

Agenda 2030

Aprovados em 2015 pelos países que integram as Nações Unidas, os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) apresentam 17 objetivos e mais de 200 metas. O ODS 5 trata especificamente da questão de gênero. No entanto, o foco na igualdade de gênero e no empoderamento das mulheres estão presentes em todos os ODS.

“A igualdade de gênero é um fundamento necessário para que tenhamos um mundo justo, pacífico, próspero e sustentável, mas também é, acima de tudo, um direito humano fundamental. O empoderamento das mulheres representa um importante multiplicador de bem-estar e um pré-requisito para o desenvolvimento sustentável”, ressaltou Bojanic.

Desafios

As mulheres rurais têm menos acesso do que os homens aos recursos produtivos, serviços e oportunidades, como terra, gado, serviços financeiros e educação. Diante desse quadro, governos e os diversos atores que lidam com a questão devem promover ações eficazes para reverter essa situação.

Fornecer às mulheres melhores oportunidades de produzir culturas para a comercialização, trabalho assalariado em uma agroindústria ou realizar outras atividades remuneradas no setor rural é essencial para aumentar o poder de barganha no lar e legitimar o controle sobre os recursos materiais básicos, como terra e crédito.

“A igualdade de gênero é fundamental para o mandato da FAO. Sem a igualdade de gênero e o empoderamento econômico, social e político das mulheres rurais, a segurança alimentar não será alcançada”, enfatizou o representante da FAO no Brasil, Alan Bojanic.

Blogs

Ver Todos os Blogs