Santo Antônio da Platina / PR33º21º19 de Julho de 2018
Jornal Tribuna do Vale - 17/07/2018

Edição ImpressaEdição 3641

Ler Jornal
SEBRAE

Produtores de goiaba de Carlópolis buscam certificação internacional

Comentar
Compartilhar
23 AGO 2017Por Da Assessoria do Sebrae18h06

Um grupo de 18 produtores de goiaba de Carlópolis, no Norte Pioneiro do Paraná, se prepara para conquistar a certificação Global GAP (Good Agricultural Practices), que oferece um bilhete de entrada para o mercado internacional. Todos integram a Associação dos Olericultores e Fruticultores de Carlópolis (APC) e já possuem o registro de Indicação Geográfica (IG) concedido pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI). O processo de certificação é acompanhado pelo Sebrae/PR e Universidade Estadual Paulista (Unesp).

A coordenadora de Agronegócios, Alimentos e Bebidas do Sebrae/PR, Andréia Claudino, afirma que a certificação é um dos requisitos para a abertura de novos mercados. “O nosso objetivo é tornar o grupo mais profissional e competitivo para que possa aproveitar as oportunidades de negócios internacionais”, explica. Segundo ela, em novembro, técnicos da União Europeia visitarão a APC para avaliar a possibilidade de concessão da Indicação Geográfica Protegida (IGP) da União Europeia. O projeto da IG da goiaba de Carlópolis do Sebrae/PR tem o apoio de parceiros como a Associação dos Olericultores e Fruticultores de Carlópolis (APC), Emater e Prefeitura de Carlópolis.

O consultor do Sebrae/PR, Odemir Capello, afirma que a expectativa é de que a APC conquiste a certificação em caráter coletivo. “A partir daí, os produtores encontrarão portas abertas para exportar para a Europa, um mercado gigante e que não tem goiaba”, acrescenta. Ele explica que, no projeto setorial da IG, o trabalho é voltado para a diferenciação do produto, mas para que a goiaba de Carlópolis seja reconhecida e valorizada no mercado internacional, foi necessário buscar a certificação. “Há três anos estamos trabalhando para isso e todo esse trabalho será compensado pelo retorno financeiro. A expectativa é de que o preço do produto seja valorizado em pelo menos 100%”, calcula.

Produtores de Carlópolis esperam valorizar produção em até 100% (Antônio de Picolli / Tribuna do Vale)

O agrônomo e pesquisador da Unesp de Bauru (SP), Aloísio Costa Sampaio, conta que a Global GAP. foi desenvolvida pela rede de supermercados da Europa. “Todo produto de origem vegetal exportado para o mercado europeu precisa ter esse certificado”, explica. Segundo ele, as premissas básicas para um produto ser certificado resumem-se em dois pontos: segurança alimentar e rastreabilidade. Antes de receber a equipe de auditoria, serão necessárias adequações na estrutura de armazenamento e treinamento dos funcionários para atuarem dentro dos padrões de produção internacional.

De acordo com Sampaio, serão verificados itens como a limpeza e proteção do “packing house”, o barracão onde as goiabas ficarão armazenadas, contra impurezas físicas, químicas e biológicas; poda em pomar dividido por talhões com placas de identificação para rastreamento; ensacamento; manejo de pragas, que deve ser feito apenas com defensivos específicos para a goiaba e registrados no Ministério da Agricultura; Cadastro Ambiental Rural dos produtores; outorga da água para a irrigação do pomar; além de uma série de capacitações exigidas. “A filosofia é a sustentabilidade. É necessário atender todos os critérios para produzir de maneira econômica, social e ambientalmente sustentável”, resume.

Para a certificação internacional são verificados itens como a limpeza e proteção do “packing house” (Antônio de Picolli / Tribuna do Vale)

O produtor de goiaba e presidente da APC, Rodrigo da Silva Viana, diz que esta será a primeira tentativa de certificação. “Estamos ainda aguardando recursos para fazer as adequações necessárias no barracão”, conta. A família de Viana produz a fruta há 25 anos numa propriedade de 4,5 hectares. O produtor Noriaki Akamatsu destaca a importância da certificação para que o grupo de Carlópolis não dependa de terceiros para exportar as frutas. Akamatsu trabalha há quase 30 anos com produção de goiaba. Hoje, ele abastece o mercado interno com aproximadamente 80 toneladas da fruta por ano.

Certificação

O Global GAP é um protocolo privado de certificação voluntária, com reconhecimento internacional de Boas Práticas Agrícolas. Além de ser uma ferramenta para a abertura de novos mercados e fidelização dos já atendidos, o objetivo da certificação é aumentar a confiança do consumidor na inocuidade dos alimentos, demonstrando o compromisso do produtor com a segurança e sustentabilidade alimentar. A norma aborda principalmente os pontos de rastreabilidade, técnicas de produção (uso controlado de defensivos químicos), preservação do meio ambiente e recursos naturais, aspectos higiênicos (não-contaminação química, física e biológica) e sociais (ambiente de trabalho adequado).

 

Blogs

Ver Todos os Blogs