Santo Antônio da Platina / PR33º21º20 de Outubro de 2018
Jornal Tribuna do Vale - 17/10/2018

Edição ImpressaEdição 3704

Ler Jornal

Governo e municípios realizam ações combate ao Trabalho Infantil

Comentar
Compartilhar
11 JUN 2018Por Agencia de Noticias23h16

Todas as regiões do Paraná terão ações pelo Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil, nesta terça-feira (12). Os escritórios regionais da Secretaria da Família e Desenvolvimento Social, em parceria com os municípios, programaram atividades para divulgar a importância da proteção à infância.

Distribuição de cartazes, passeatas, palestras, oficinas, rodas de conversa, peças teatrais, cartilhas, pinturas e confecção de brinquedos são algumas das atividades programadas. Em algumas cidades, a programação contra o trabalho infantil segue durante toda a semana.

Muitas das ações estão sendo desenvolvidas nos Centros de Referência de Assistência Social (Cras) ou nos Centros de Referência Especializados de Assistência Social (Creas). É o caso, por exemplo, do município de Adrianópolis, na Região Metropolitana de Curitiba, que promoverá uma oficina para os integrantes do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos, disponível no Cras.

ENVOLVIMENTO – Além de orientar a população, as oficinas envolvem famílias, escolas, igrejas e instituições que trabalham diretamente com crianças e adolescentes. Integrar as escolas no combate ao trabalho infantil foi uma das estratégias adotadas pela rede socioassistencial de Pato Bragado, na região Oeste. Os alunos conhecerão os direitos básicos de crianças e adolescentes, para prevenção do trabalho infantil.

Em Santa Helena, na mesma região, as ações acontecerão nos Cras e nas unidades básicas de saúde, com distribuição de panfletos sobre os tipos de trabalho infantil. Além disso, os técnicos dos Cras dialogarão com a população sobre os diferentes tipos de trabalho infantil no meio rural e urbano e a exploração sexual.

“Os municípios estão sempre muito engajados no combate ao trabalho infantil e ao abuso sexual de crianças e adolescentes. Quando a família passa pelo Cras, é identificado se há situação de trabalho infantil e, caso isso ocorra, é dado o encaminhamento necessário”, destaca a chefe do escritório regional de Foz do Iguaçu, Herinne Silva.

PALESTRAS – A coordenadora do Cras de Santa Helena, Delise Ana Silveira, explica que nos sete grupos de trabalho desenvolvidos, incluindo o serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família (Paif) e o serviço de convivência e fortalecimento de vínculos, serão realizadas palestras sobre o tema.

“Os grupos incluem gestantes, adolescentes, adultos e pessoas idosas. Além disso, também elaboramos cartilhas”, explica a coordenadora. Ela salienta que o trabalho infantil rouba a infância e impede o acesso de crianças à escola e ao lazer, além de abrir espaço para outros tipos de violações, como abuso sexual e psicológico.

PROGRAMA – As crianças e os adolescentes identificados na condição de trabalho infantil são acompanhados pelo Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (Peti). O programa oferece a inclusão das crianças e dos jovens em serviços de orientação e acompanhamento. A frequência escolar é uma das regras exigidas.

No Paraná, as ações do Peti são coordenadas pela Secretaria da Família, responsável pela política de assistência social. O trabalho junto aos municípios é feito por campanhas de sensibilização, capacitação e mobilização. A Secretaria também faz o acompanhamento e o monitoramento da execução dessas ações, bem como dos seus avanços.

As situações de trabalho infantil também são encaminhadas para o conselho tutelar ou até mesmo o Ministério Público ou o Ministério do Trabalho.

TRABALHO INFANTIL – O Paraná reduziu em 58% o número de crianças e adolescentes, de 5 a 14 anos, exercendo alguma atividade remunerada, enquanto no Brasil a redução foi de 43,5%. O resultado foi levantado na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD/IBGE), considerando o período de 2011 a 2015.

No Brasil, é considerado trabalho infantil aquele desenvolvido por crianças ou adolescentes com idade inferior a 16 anos. A partir dos 14, é permitida a atividade remunerada na condição de aprendiz. A partir de então, até os 18 anos, o trabalho é permitido em turno diurno, desde que em ambientes saudáveis ou que não prejudiquem o adolescente moralmente.

Saiba mais sobre o trabalho do Governo do Estado em:
http:///www.facebook.com/governopr e www.pr.gov.br

 

Blogs

Ver Todos os Blogs