Santo Antônio da Platina / PR33º21º18 de Agosto de 2017
Jornal Tribuna do Vale - 18/08/2017

Edição ImpressaEdição 3422

Ler Jornal
PRIORIDADE

Santo Antônio da Platina viabiliza Programa Família Acolhedora

Comentar
Compartilhar
11 AGO 2017Por Da Redação18h17

Santo Antônio da Platina estuda implantar em caráter de urgência o Programa Família Acolhedora. O projeto é uma medida de caráter excepcional voltado à proteção de crianças e adolescentes que tenham seus direitos ameaçados ou violados e que se faça necessário o afastamento temporário do convívio da família de origem. O programa consiste em cadastrar e capacitar famílias da comunidade para receberem em suas casas, por um período determinado, crianças, adolescentes ou grupos de irmãos em situação de risco pessoal e social, dando-lhes acolhida, amparo, aceitação, amor e a possibilidade de convivência familiar dentro dos padrões normais.

Na manhã de sexta-feira, 11, representantes da Secretaria Municipal de Assistência Social, do poder Executivo, Legislativo e do Judiciário através do juiz da Vara Criminal da Comarca de Santo Antônio da Platina Júlio Cesar Michelucci Tanga e do promotor de Justiça Diego André Coqueiro Barros, se reuniram para discutir os benefícios do programa e de que forma ele pode ser aprovado em caráter emergencial.

Reunião entre os três poderes, Executivo, legislativo e Judiciário viabiliza criação do Programa Família Acolhedora (Antônio de Picolli / Tribuna do Vale)

A intenção é proporcionar as crianças e adolescentes um ambiente realmente familiar, com famílias estruturadas e capacitadas, e, fazer com que o programa de acolhimento institucional (abrigos) seja utilizado somente em último caso. A família de acolhimento representa a possibilidade de continuidade da convivência familiar em ambiente sadio para a criança ou adolescente. “É uma forma de salvar essas crianças que vivem em ambiente institucional. Muitas vezes elas são acolhidas pela instituição depois são recebidas por, algum tio, por exemplo, e não consegue adaptação  e acabam  voltando para a instituição. Esse processo gera a sensação de rejeição, portanto, instituir o programa é a melhor coisa que podemos fazer pelo bem dessas crianças e adolescentes”, comentou o juiz.

Além de proporcionar um ambiente mais saudável, é também mais econômico para o município. Atualmente, as duas instituições de Santo Antônio da Platina, que acolhem esse público,  tem um gasto anual que ultrapassa R$ 600 mil. O secretário de Assistência Social Cristiano Benedito Lauro fez um levantamento com base em 20 famílias acolhedoras que custaria aproximadamente R$ 400 mil, ou seja, uma economia para o município de R$ 200 mil ao ano.

A ideia é que abrigos para crianças sejam cada vez menos usados (Antônio de Picolli / Tribuna do Vale)

Em contrapartida o município oferece para as famílias acolhedoras um salário mínimo por acolhido e isenção proporcional no Imposto Predial e Território Urbano (IPTU). O incentivo tem por objetivo o fim dos abrigos, ou seja, a substituição integral dos abrigos pelos serviços de família acolhedora. Segundo a vereadora Miriam Montanheiro, que tem acompanhado assiduamente o programa, Cascavel é município referência no Estado com 180 famílias acolhedoras.

Prazo

A partir da reunião extraordinária do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA), agendada para a próxima semana, o Projeto de Lei será montado e encaminhado para análise e votação na Câmara dos Vereadores. O juiz solicitou que no prazo máximo de um mês o projeto já tenha sido encaminhado ao Legislativo para votação como prioridade absoluta em regime de urgência.

 

Blogs

Ver Todos os Blogs