Santo Antônio da Platina / PR33º21º18 de Janeiro de 2018
Jornal Tribuna do Vale - 11/01/2018

Edição ImpressaEdição 3514

Ler Jornal
COLUNA

Fábio Campana

Política, cultura e o poder por trás dos panos.

Fábio Campana é jornalista e escritor. Diretor da editora Travessa dos Editores. Editor das revistas Et Cetera e Ideias. Publica colunas em uma rede de jornais do interior do Paraná, entre eles a Tribuna do Norte, e faz comentários políticos diários na rádio CBN Cascavel. Foi secretário de Comunicação Social da Prefeitura de Curitiba e secretário de estado da Comunicação Social em três governos. Editor da extinta revista Atenção. Editor do extinto Correio de Notícias. Colunista político dos jornais Gazeta do Povo, O Estado do Paraná, Tribuna do Paraná e Gazeta do Paraná. Foi comentarista das rádios BandNews e Banda B. Fábio Campana nasceu em 1947 no município paranaense de Foz do Iguaçu. Publicou Restos Mortais, contos (1978), No Campo do Inimigo, contos (1981), Paraíso em Chamas, poesia (1994), O Guardador de Fantasmas, romance (1996), Todo o Sangue (2004), O último dia de Cabeza de Vaca (2005), Ai (2007) e A Árvores de Isaías (2011). Vive em Curitiba desde 1960.

Alvaro defende a Lava Jato

Comentar
Compartilhar
24 ABR 2017Por Fábio Campana19h56

A corrupção joga o Congresso contra a população brasileira. Esta foi a constatação feita pelo senador Alvaro Dias, em sessão plenária do Senado, ao rebater declarações feitas por outros senadores de que a força-tarefa da operação Lava Jato estaria jogando a população contra o Congresso. Para o senador, tal declaração é absolutamente inverossímil. “O que joga a população brasileira contra o Congresso é a corrupção, é esse mar de lama exposto aos olhos da Nação. Esse mar de lama, sim, joga o povo brasileiro contra o Congresso Nacional”, afirmou.

No seu pronunciamento, o senador disse não se conformar quando ouve ataques intempestivos a instituições públicas que, para ele, estão recuperando credibilidade nessa fase de transição para o futuro do nosso País.

“Ouvimos, no dia de hoje, ataques a procuradores que constituem a força-tarefa da Operação Lava Jato, na cidade de Curitiba, em razão de terem eles se manifestado contrariamente ao projeto que diz respeito ao abuso de autoridade. Aqueles que integram o Ministério Público, circunstancialmente exercendo essa função histórica na força-tarefa da Operação Lava Jato, como Deltan Dallagnol e os seus colegas de missão, honram a população brasileira e devem ser defendidos, mesmo que eventualmente possam cometer equívocos, já que a perfeição não tem relação com o ser humano. Não há como exigir perfeição”, disse.

Para Alvaro Dias, os procuradores da República, delegados da Polícia Federal e membros da Justiça Federal estão, com sua atuação, “reabilitando as esperanças do povo brasileiro no futuro deste País”. Por isso, enfatizou o senador, merecem aplausos e também a valorização por parte da sociedade brasileira. Precisamos defendê-los, valorizá-los, para que possam prosseguir superando todos esses obstáculos interpostos à frente de quem quer promover a limpeza, que é uma exigência da população brasileira”, concluiu Alvaro Dias.