Santo Antônio da Platina / PR33º21º19 de Setembro de 2018
Jornal Tribuna do Vale - 17/09/2018

Edição ImpressaEdição 3683

Ler Jornal
COLUNA

RECLAMAR ADIANTA

RECLAMAR ADIANTA

Comentar
Compartilhar
20 OUT 2017Por RECLAMAR ADIANTA20h15

Alimentos estragados. O que posso fazer?

Todo produto tem garantia e qualidade é direito de quem compra. Se você comprar algum produto estragado, que esteja dentro do prazo de validade, não deixe de correr atrás dos seus direitos! O prazo para reclamar é de trinta dias a partir da data de compra para produtos perecíveis, como alimentos, por exemplo.  Muitas vezes, o cuidado do consumidor em verificar a data de validade do produto não é suficiente para evitar surpresas, já que embalagens lacradas podem esconder alimentos estragados, mesmo dentro do prazo de validade. Se o produto consumido provocar danos à saúde, o fabricante deverá ressarcir o consumidor pelos possíveis gastos com medicamentos ou hospitalares. Nestes casos, é sempre importante guardar o produto. Se for algo perecível tire uma foto e guarde sempre a nota fiscal. Não se esqueça de registrar uma reclamação junto ao fornecedor e exigir a troca do produto irregular!


Consumidor é indenizado por propaganda enganosa

 Um consumidor, vítima de propaganda enganosa, vai receber R$ 30 mil de indenização a título de danos morais, por ter sido induzido a adquirir produto denominado “Cogumelo do Sol” em virtude da inadequada veiculação de falsas expectativas quanto à possibilidade de tratamento de câncer agressivo e da exploração de consumidor hipervulnerável, naturalmente fragilizado pela esperança de cura do mal sofrido por seu filho.

Para Átila A.Nunes, coordenador do serviço Reclamar Adianta.com.br ficou evidente que a compra do produto foi motivada pela falsa expectativa quanto à cura da doença e que houve exploração da situação de vulnerabilidade de um pai cujo filho lutava contra um câncer no fígado.

O produto, à base de uma substância chamada royal agaricus, seria eficaz na cura de doenças graves, inclusive, a neoplasia maligna. Em1999, o pai pagou o valor total de R$ 540 pelo produto, diante da promessa de que teria eficácia medicinal.

O filho, entretanto, faleceu três anos após a compra do suplemento, sem, contudo, ter abandonado os tratamentos convencionais recomendados por especialistas, como radioterapia e quimioterapia.


Consumidores entram no ar e são atendidos

Os consumidores de todo o país podem reclamar, protestar e denunciar livremente, entrando ao vivo no Programa Reclamar Adianta na Rádio Bandeirantes AM 1360 (RJ) de segunda à sexta-feira, das 10h ao meio dia, podendo ser acessado pela internet ou pelo Youtube: www.reclamar adianta.com.br  Nosso whatsapp: 21-993289328.