Santo Antônio da Platina / PR33º21º18 de Agosto de 2017
Jornal Tribuna do Vale - 18/08/2017

Edição ImpressaEdição 3422

Ler Jornal
COLUNA

Fábio Campana

Política, cultura e o poder por trás dos panos.

Fábio Campana é jornalista e escritor. Diretor da editora Travessa dos Editores. Editor das revistas Et Cetera e Ideias. Publica colunas em uma rede de jornais do interior do Paraná, entre eles a Tribuna do Norte, e faz comentários políticos diários na rádio CBN Cascavel. Foi secretário de Comunicação Social da Prefeitura de Curitiba e secretário de estado da Comunicação Social em três governos. Editor da extinta revista Atenção. Editor do extinto Correio de Notícias. Colunista político dos jornais Gazeta do Povo, O Estado do Paraná, Tribuna do Paraná e Gazeta do Paraná. Foi comentarista das rádios BandNews e Banda B. Fábio Campana nasceu em 1947 no município paranaense de Foz do Iguaçu. Publicou Restos Mortais, contos (1978), No Campo do Inimigo, contos (1981), Paraíso em Chamas, poesia (1994), O Guardador de Fantasmas, romance (1996), Todo o Sangue (2004), O último dia de Cabeza de Vaca (2005), Ai (2007) e A Árvores de Isaías (2011). Vive em Curitiba desde 1960.

Reservas cambiais batem recorde

Comentar
Compartilhar
02 AGO 2017Por Fábio Campana17h48

A equipe econômica de Michel Temer conseguiu um feito sem precedentes: elevou as reservas internacionais brasileiras ao maior nível da História, atingindo US$380,8 bilhões, em julho. As reservas são espécie de “poupança cambial”, utilizada em medidas anticíclicas para amenizar os efeitos de crises externas, como a de 2008. Apesar da economia frágil, as reservas cresceram 1,4% no governo Temer. A informação é do colunista Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

Quando Michel Temer assumiu, em 13 de maio, as reservas cambiais totalizavam US$375,6 bilhões.

Apesar do maior nível da história, as reservas brasileiras são pequenas em relação a China: mais de US$3 trilhões (maior que o PIB do Brasil).

Se as reservas cambiais são boa notícia, há indicadores preocupantes, como a queda na arrecadação e consequente aumento do rombo fiscal.