Santo Antônio da Platina / PR33º21º19 de Outubro de 2017
Jornal Tribuna do Vale - 18/10/2017

Edição ImpressaEdição 3460

Ler Jornal
SEGURANÇA

Núcleos nas universidades promovem direito da criança

Comentar
Compartilhar
11 OUT 2017Por Da Agência Estadual de Notícias17h24
O Neddij atua especificamente na proteção e defesa de direitos de crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade socialFoto: Divulgação

Uma criança é vítima de violência a cada hora no Paraná, segundo levantamento da Secretaria de Estado de Segurança Pública e Administração Penitenciária (2016). Visando a manutenção da proteção à infância e a adolescência foi criado, em 2006, o Núcleo de Estudos de Direito e Defesa da Criança e do Adolescente (Neddij). Somente neste ano, foram cerca de 55 mil atendimentos gratuitos, permitindo que novos sorrisos aconteçam neste Dia das Crianças (12).

A Universidade Estadual do Norte do Paraná – UENP – mantém um Núcleo. Interessados em mais informações específicas podem ligar para (43) 3525 – 0862, Jacarezinho

Os problemas psicológicos que essas experiências podem desencadear nas crianças são diversos, explica a psicóloga do Neddij da Universidade Estadual de Maringá, Priscila Toledo. “A lista de possíveis consequências é imensa, algumas como transtorno de ansiedade, depressão, baixa autoestima, comportamento antissocial, déficit de atenção e hiperatividade”.

Em todo o Brasil, o Disque 100 (canal de denúncias para proteção da criança) registrou mais de 153 mil denúncias. Entre os tipos de violação mais comuns estão negligência (58%), violência psicológica (36%), violência física (34%), violência sexual (17%) e outras (6%), segundo relatório da Fundação Associação Brasileira dos Fabricantes de Brinquedos (Abrinq). O Paraná teve 3 mil ocorrências de violência sexual contra crianças e adolescentes, em 2015.

Para a psicóloga do Neddij da Universidade Estadual de Londrina, Rafaela Grumadas Machado, cada caso precisa de uma atenção e um tratamento especial. “Cada criança e adolescente tem o seu tempo para começar a expressar os sentimentos relacionados aos traumas vivenciados. É muito importante que o psicólogo saiba respeitar esse tempo, acolher a queixa e que tenha sensibilidade para saber a melhor maneira de intervir em cada 'ferida'”.

NÚCLEO - O Neddij presta ajuda jurídica e psicológica, trabalhando em conjunto com órgãos como o Conselho Tutelar, Ministério Público e Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas). A coordenadora do núcleo da UEM, professora Amalia Regina Donegá, conta que qualquer pessoa, que queira proteger uma criança, pode procurar o centro.

“O Neddij atua especificamente na proteção e defesa de direitos de crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social. Assim, os seus responsáveis ou interessados na proteção de seus direitos poderão ter acesso aos serviços oferecidos”.

A professora também explica quais situações condizem com vulnerabilidade social. “A situação pode ser caracterizada por diversos fatores, tais como, passar por privações em razão da falta de pagamento da pensão alimentícia, não dispor de local seguro para permanecer durante o período em que os seus responsáveis estão no trabalho, estar sofrendo abuso sexual ou sendo processado pela prática de ato infracional, dentre outras”.

Criado em 2006, o Neddij atua em 34 municípios do Estado por meio das sete universidades estaduais. Entre os serviços oferecidos estão: direito, psicologia, pedagogia e serviço social.

Blogs

Ver Todos os Blogs