Santo Antônio da Platina / PR33º21º17 de Janeiro de 2018
Jornal Tribuna do Vale - 11/01/2018

Edição ImpressaEdição 3514

Ler Jornal
ACESSIBILIDADE

Balneários têm cadeiras especiais para pessoas com deficiência

Comentar
Compartilhar
14 DEZ 2017Por AEN19h21
Cadeiras têm rodas especiais, mais largas e adaptadas para a areia e não afundam na águaFoto: AEN

Programa Praia Acessível, que permite banho de mar ou rio seguro a quem tem deficiência ou mobilidade reduzida, foi desenvolvido pela Secretaria da Família e Desenvolvimento Social, em parceria com a Sanepar e Copel Telecom. Cadeiras anfíbias estarão disponíveis até o fim da temporada
O Governo do Estado ampliou os pontos da Praia Acessível, ação do Verão Paraná 2017/2018, que garante às pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida banho de mar seguro e confortável. O programa de acessibilidade foi desenvolvido pela Secretaria da Família e Desenvolvimento Social, em parceria com a Sanepar e Copel Telecom, e estará disponível até o fim da temporada.

Cadeiras anfíbias poderão ser usadas a partir de 21 de dezembro, gratuitamente, no Litoral. “A novidade desta temporada é que, além do Litoral, as ações do Praia Acessível foram estendidas para Santa Helena, na Região Oeste”, diz a coordenadora estadual da Política da Pessoa com Deficiência, Flavia Cordeiro.
Em Santa Helena, o Praia Acessível chegará alguns dias depois do Litoral. Com pouco mais de 25 mil habitantes, o município recebe milhares de turistas no verão, para visitar a praia artificial do Lago de Itaipu. “Teremos uma equipe treinada para atender as pessoas que frequentam a prainha de Santa Helena, mas que, por conta de deficiência ou dificuldade de locomoção, não tinham acesso ao banho no lago”, explica Flávia.

As cadeiras têm rodas especiais, mais largas e adaptadas para a areia, por isso não afundam na água e são mais fáceis de movimentar. Com capacidade para suportar até 120 quilos, são flutuantes e confeccionadas em material leve, resistente e inoxidável.

“Os equipamentos contam com itens fundamentais de segurança como cinto regulável, apoio cervical, para a cabeça, e apoio para os pés, em tecido emborrachado. Por serem mais altas, permitem que o usuário entre no mar a uma profundidade segura”, diz a coordenadora da Secretaria da Família.

Nos pontos de atendimento, equipes treinadas monitoram a atividade de lazer e inclusão, garantindo a segurança do usuário e tranquilidade ao acompanhante. O cuidado é desde a transposição para cadeira anfíbia, o deslocamento até a água e o banho propriamente dito.

O Praia Acessível foi lançado como projeto-piloto durante a temporada de verão 2016-2017. Em dois meses, o projeto atendeu cerca de 500 pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida, em três pontos do Litoral.

 

Blogs

Ver Todos os Blogs