Santo Antônio da Platina / PR33º21º21 de Agosto de 2018
Jornal Tribuna do Vale - 16/08/2018

Edição ImpressaEdição 3663

Ler Jornal

Deputado cobra investigação rigorosa da trágica morte do vereador Coruja (PV)

Comentar
Compartilhar
07 FEV 2018Por Da Assessoria19h46
Foto: Pedro de Oliveira

O deputado estadual Rasca Rodrigues (PV) voltou a falar na tribuna da Assembleia Legislativa do Paraná, nesta terça-feira (7), sobre o assalto aos carros-fortes, na BR 376, que resultou na morte de três pessoas (duas vítimas inocentes) e dois feridos. Rasca, que era amigo pessoal do vereador Elton Coruja, cobrou das autoridades uma apuração séria da morte do vereador e do caminhoneiro Vilson Silveira, que passavam pelo local durante o assalto aos comboios. 

“Esta tragédia, com vítimas inocentes, não deve passar em vão. A morte do vereador Coruja não deve passar em vão. Peço às autoridades policiais, ao secretário de Segurança que se empenhem efetivamente para esclarecer o quanto antes este caso, que chocou todo o Paraná e a comunidade de Barra do Jacaré”, cobrou Rasca. 

O deputado afirmou aos colegas que teve acesso a versão do vereador Edival do Nascimento (PR), que estava junto com Coruja e o vereador Miguel Calixto (internado em estado grave) no momento do assalto. Segundo ele, o relato demonstra que tanto Coruja quanto Calixto foram vítimas da ação dos seguranças ao serem confundidos com os bandidos. 

“O Edival disse que eles desceram do carro e se esconderam atrás de um caminhão. E que os próprios bandidos disseram que não fariam nada com eles. Os bandidos, durante o enfrentamento, correm para mato, e passando por eles, falam para os vereadores correrem por mato também. O Miguel correu e se escondeu num buraco, mas os seguranças continuaram atirando, e os confundindo com os demais bandidos”, explicou. 

Sobre a morte de Coruja, Rasca classificou como um ato covarde. “Segundo o relato do vereador que sobreviveu, o Coruja foi executado covardemente, ajoelhado, com um tiro de 12, que deixou 21 furos no seu corpo, de uma arma de porte compatível com a dos seguranças”, disse. 

“Diferente do que a empresa dos carros-fortes divulgou, isto não pode ser uma ação profissional. Atirar em alguém ajoelhado, sem arma, é execução. Não aceitaremos que este caso seja esquecido, como se fosse uma ação de legítima defesa. Pois o relato que temos demonstra que não foi”, completou Rasca. 

Coruja tinha 36 anos, era professor da rede estadual de ensino há mais de 10 anos, formado em matemática pela Universidade Estadual do Norte do Paraná e exercia seu segundo mandato como vereador de Barra do Jacaré, sempre pelo Partido Verde. Ele deixa um filho, Victor Hugo, de 10 anos. 

Assalto 

De acordo com informações da Polícia Rodoviária Federal (PRF), o assalto foi organizado por 15 bandidos, que bloquearam a BR-376, na altura do km 536, na tentativa de arrombar um comboio de cinco carros-fortes. Seis pessoas foram baleadas no local, sendo dois criminosos e quatro inocentes (dois morreram). Ainda, dois bandidos foram presos em flagrante, um deles com uma pistola Glock calibre 9 mm. Outros dois integrantes da quadrilha fugiram pelo matagal no entorno da rodovia.

O vereador Miguel Calixto foi socorrido em estado grave e depois encaminhado para o Hospital Bom Jesus, em Ponta Grossa, onde é mantido em coma induzido.

 

Blogs

Ver Todos os Blogs