HOSPITAL REGIONAL

Indenizações trabalhistas serão pagas por prefeitos da Amunorpi

20 DEZ 2017 • Por Da Redação • 20h27
Notícia sobre demissões provocou um clima de tensão entre os funcionários do HRNP - Antônio de Picolli / Tribuna do Vale

Os 22 prefeitos dos municípios que integram o Consórcio Intermunicipal de Saúde do Norte Pioneiro (Cisnorpi) serão os responsáveis pelo pagamento das indenizações trabalhistas dos 80 funcionários do Hospital Regional do Norte Pioneiro, que serão exonerados com a estadualização da instituição conforme divulgado com exclusividade ontem pela Tribuna do Vale. A direção da entidade ainda não sabe o montante dos acertos trabalhistas, mas já levou o caso aos gestores municipais em reunião realizada semana passada, conforme informação do diretor administrativo do Consórcio, Guilherme Saliba Costa, ex-prefeito de Tomazina.
“A direção do Cisnorpi, juntamente com técnicos da Secretaria de Estado da saúde (Seed), tem se empenhado para encontrar um caminho legal que possibilite a priorização dos atuais funcionários que pertencem ao quadro do Hospital Regional”, assinala. Ele deixa claro que a responsabilidade pelo pagamento dessas indenizações é do Cisnorpi. A forma de rateio entre os municípios filiados será definida na sequência.

Clima tenso

A notícia de que a estadualização do Hospital Regional ocorrerá no final de abril de 2018 foi repassada à reportagem após um almoço do secretário de Saúde do Paraná, Michele Caputo Neto, com funcionários da 19ª Regional de Saúde de Jacarezinho. Ele antecipou que a decisão do governo estadual é gerir o hospital através da Funeas – Fundação Estatal de Atenção em Saúde do Estado do Paraná, entidade pública com personalidade jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, de beneficência social, de interesse e de utilidade públicos.
A publicação da reportagem na edição impressa e na versão eletrônica da Tribuna do Vale causou um clima de tensão entre os funcionários do Hospital Regional. A preocupação é da perda do emprego caso parte dos atuais empregados não consiga passar no teste seletivo.
Ontem de manhã o ex-diretor do Cisnorpi, Esmael de Carvalho, o Zé Gotinha, como é mais conhecido, encaminhou mensagem ao governador Beto Richa sugerindo que o governo estadual estude uma fórmula de aproveitamento dos atuais funcionários, a exemplo do que ocorreu com a encampação da Fundação Faculdades Luis Meneghel (FFAM), cujos servidores foram absorvidos pela Universidade Estadual do Norte do Paraná. Richa confirmou recebimento da mensagem pelo watts deixando transparecer que vai analisar a situação.

Demissões

Michele Caputo esclareceu que o Cisnorpi, atual gestor, deverá promover o desligamento de todos os atuais funcionários e a Funeas realizará novo processo seletivo para novas contratações. O secretário assinalou que serão contratados mais funcionários que os atuais 80, mas não precisou quantos integrarão os departamentos da instituição.
Guilherme Saliba lembrou que a SEED tem ainda como opção a criação de uma Organização Social (OS), cujo formato jurídico permite a absorção dos atuais funcionários do hospital, mas, pelas últimas informações, segundo ele, esta opção foi descartada pelo governo.