RISCO CLIMÁTICO

Trigo tem novo zoneamento para safra 2017/2018

Praticamente todos os municípios tiveram alterações nas classificações de risco dos decêndios de plantio

29 JAN 2018 • Por Destaques Grãos • 17h47
Para a safra 2017/18 praticamente todos os municípios tiveram alterações nas classificações de risco - Antônio de Picolli

A Portaria nº 17, publicada na quinta-feira (25) no Diário Oficial da União, estabelece o Zoneamento Agrícola de Risco Climático (Zarc) para trigo sequeiro plantado no Paraná na safra 2017/18. O instrumento define os municípios aptos ao cultivo do cereal e identifica os níveis de risco em cada decêndio, classificando em 20%, 30% e 40% o risco de perda da safra, caso ocorra algum evento climático adverso. Essa estratificação do risco em três níveis foi aplicada pela primeira vez na safra 2016/17, conforme metodologia desenvolvida pela Embrapa, responsável pelas pesquisas de zoneamento.

Para a safra 2017/18 praticamente todos os municípios tiveram alterações nas classificações de risco dos decêndios de plantio, em sua maioria com definição de riscos menores que o da temporada anterior. Poucos não tiveram qualquer tipo de alteração, como Palmas e Santo Antônio do Sudoeste.

Municípios como Carambeí, Ibiporã, Santa Tereza do Oeste e Tibagi tiveram ampliação de suas janelas de plantio. As mudanças mais expressivas ocorreram para os municípios de Curiúva, Figueira, Jaguariaíva, Sapopema e Ventania, especialmente com antecipação da janela de plantio. São José da Boa Vista é um dos poucos casos de atraso no período de plantio anteriormente vigente, nesse caso de três decêndios para cultivares do grupo I.

O produtor precisa consultar quais os níveis de risco com a sua seguradora, pois algumas empresas adotam todos os níveis (20%, 30% e 40%), enquanto outras somente o risco mais baixo, de 20% de perda.

Devido às alterações, o produtor ou o responsável técnico devem ficar atentos e consultar a Portaria no site do Ministério da Agricultura: Zarc Trigo – Safra 2017/18 ou por meio do Sistema Siszarc também disponível do site do Mapa no endereço eletrônico: www.sistemasweb.agricultura.gov.br/siszarc.

Atuação da FAEP

O novo Zarc do trigo atende uma demanda da Comissão Técnica de Cereais, Fibras e Oleaginosas da FAEP, após avaliar que o antigo instrumento induzia produtores a plantar em períodos impróprios. A entidade solicitou, junto ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e a Embrapa, novos estudos para melhorar a metodologia da pesquisa.

O novo estudo expressa com maior precisão os riscos de geada e de chuva excessiva, visando mitigar os riscos de produção. O trigo possui um padrão oficial de classificação mais rigoroso que outras culturas devido aos requisitos de qualidade exigidos pela indústria moageira para a produção das farinhas. Esses aspectos qualitativos estão diretamente relacionados ao manejo a campo e às condições climáticas regionais, além de outros fatores.

Além das sugestões enviadas no ano passado, os técnicos da FAEP participaram ativamente das reuniões para discussão do novo Zarc e da avaliação da metodologia e, posteriormente, da confirmação dos dados.