Desde 2014, auxílio moradia de juízes custou R$ 5,4 bilhões

1 FEV 2018 • Por Da Assessoria • 15h23
Arquivo/google

Levantamento do site “Contas Abertas” aponta que o auxílio-moradia pago a juízes e promotores já custou ao País, desde setembro de 2014, quando o pagamento do benefício foi autorizado pelo Supremo Tribunal Federal, um total de R$ 5,4 bilhões. O assunto voltou à tona nos últimos dias, depois que foi revelado que o juiz Marcelo Bretas, que cuida do julgamento dos casos da operação Lava Jato no Rio de Janeiro, pediu e garantiu na Justiça o direito a receber o benefício de R$ 4.377 mensais, apesar de sua esposa, também juíza, já receber o pagamento, e ambos morarem em imóvel próprio. Resolução do Conselho Nacional de Justiça proíbe o pagamento do auxílio a magistrados que residam com quem perceba “vantagem da mesma natureza”. As informações são do Bem Paraná;

Bretas se defendeu, no seu perfil do Twitter. “Pois é, tenho esse ‘estranho’ hábito. Sempre que penso ter direito a algo eu vou à Justiça e peço. Talvez devesse ficar chorando num canto, ou pegar escondido ou à força. Mas, como tenho medo de merecer algum castigo, peço na Justiça o meu direito”, escreveu. Após a repercussão da postagem, o juiz informou aos seus “seguidores” na rede social que daria um tempo nas publicações. “Informo que não usarei esta conta de Twitter pelos próximos meses.Teremos um ano de muito trabalho ...Até”, afirmou o magistrado.