Simplesmente faz falta Vicente Estanislau Ribeiro

20 FEV 2018 • 21h03
Enéas dos Santos Brum, carinhosamente conhecido na comunidade, como “Néia da Banca”. Foto BRUM - Arquivo Pessoal

Ele saiu de cena discretamente, sem alarde e não voltou mais ao local de costume. E, pasmem! Não era empregado e sim dono do seu próprio negócio.Respeitamos a sua decisão, seja ela qual for; porém, ficou um vazio, está faltando a pessoa que a comunidade jacarezinhense adotou e aprendeu a gostar.

No ramo de atividade há cinco décadas, completa esse ano, de segunda a segunda, com sol ou chuva, feriado ou não, o dever e responsabilidade o acompanhava assiduamente.
Para ele não havia trégua, folga nem imaginar.
Amável com a sua leal freguesia desde que se estabeleceu aqui, estimado e considerado por ela.
Atendia a todos com apreço, sem distinção de classe social.
Um detalhe curioso: brizolista convicto e interatuava sempre sobre política e suas tendências.
Lia muito e continua com certeza. Um leitor eclético, desde obras clássicas aos fascinantes gibis e estórias infantis.
Uma de suas particularidades: um bom e agradável papo no balcão.
O último dia da semana, quase que descanso unânime para muitos, para ele não, o comércio aberto até ao meio dia e meia; ali, tinha uma magia especial, um lugar inspirador de: conhecimento, arte, política, saúde, beleza, lazer, gastronomia, entretenimento e muitas outras informações úteis.
Domingo não era domingo para alguns dos contumazes leitores; se não fosse lá pessoalmente, um ato quase contínuo, de carro ou a pé, de bermuda e chinelo, à vontade, uma prazerosa sensação de rotina dominical obrigatória.
Lugar apropriado de pessoas sedentas do saber, das novidades e curiosidades que buscam constantemente, o incansável leitor.
Tinha a cortesia em atender amigos, clientes e vendedores que vinham ao seu estabelecimento, oferecendo sempre um cafezinho que tanto gosta, para descontrair, no antigo Bar da Skina. Logo em seguida, acendia um cigarro, para a conversa fluir melhor.
Hoje, ele não está mais diretamente à frente da gestão dos negócios, delegando parcialmente a seu filho a continuidade dos trabalhos.
“Há pessoas que pensam que fazem falta, e há as que não sabem a falta que fazem”. (autor desconhecido).
E, ele pertence ao grupo seleto dos que não sabem a falta que fazem.
Pois bem, a sua ausência está fazendo falta, desde o momento em que saiu de foco, pela pessoa que é.
Descrevo aqui, o comerciante lojista, formidável, respeitado, batalhador, íntegro, amigo e companheiro, seu nome: Enéas dos Santos Brum, carinhosamente conhecido na comunidade, como “Néia da Banca”.
Quem não esteve lá, na livraria Agência Brum Cultural, pelo menos uma vez, para comprar: jornal, revista, material escolar, tirar fotocópias ou mesmo de passagem pela calçada, dando uma paradinha para espiar as manchetes dos principais periódicos do país.
Paralelo a Banca de Revistas, ele também possuía uma loja de presentes, a Brum Presentes na Rua Paraná, já não mais existente.
Preside o Sindicato dos Lojistas do Comércio e do Comércio Varejista de Gêneros Alimentícios, Maquinismos, Ferragens, Tintas, Materiais Elétricos e Aparelhos Eletrodomésticos de Jacarezinho (Sindilojas).
Como presidente do Sindilojas incentivou e colaborou de forma efetiva junto ao Sistema Fecomércio Sesc/Senac PR na construção compartilhada em nossa cidade da nova sede do Sesc/Senac, um sonho acalentado de comerciários e comerciantes, que se tornou realidade.
É membro atual da Diretoria da Fecomércio PR, para Assuntos de Crédito.
Mineiro do Distrito de Angustura, mas seu coração sofreu uma mutação com o passar dos anos, qualquer cardiologista atilado, afirmará que seu coração é jacarezinhense por inteiro, unicamente pela maneira da batida, quem nasce por aqui, o pulsar é diferente.
Enéas é casado há 38 anos, com a Ana Constânça de Melo Brum, tem dois filhos: Enéas dos Santos Brum Filho (Néinha) e Eliana de Melo Brum Marchioni, o genro Rafael e o netinho Igor.
Finalizando, amigo Brum, a verdade é que algumas pessoas simplesmente fazem falta e você é uma delas.
Volte para o lugar que sempre foi seu, a tradicional banca de revistas da Rua Paraná!

*Vicentinho é Licenciado em Historia e Bel, em Direito.