FUNDO DO POÇO

Desempregado, sem gás, sem comida e proibido de pegar reciclável em aterro, avô se desespera

Nequinha e Roberto sugerem que a prefeitura crie uma cooperativa de catadores de recicláveis, para que as famílias mais carentes possam se sustentar

1 MAR 2018 • Por Gladys Santoro • 18h51
Aterro Sanitário de Santo Antônio da Platina - Antônio de Picolli

Só conhece bem a tortura do desemprego, quem, um dia, se vê nessa situação. É nesse momento que a pessoa se sente invisível, um ser que só é lembrado quando as contas começam a se acumular e as cobranças chegam inevitavelmente.

Valter Aparecido Pereira da Silva, de 51 anos, o Nequinha, morador no Morro do Sabão, em Santo Antônio da Platina, está vivendo seu pior momento, com dois netos dentro de casa para alimentar e educar. Já não tem gás para cozinhar o pouco alimento que consegue. Para contornar o problema, sua esposa improvisou um fogão a lenha. As contas de água e luz estão sem pagar e ele aguarda apenas o corte dos serviços para qualquer momento.

Para piorar, na sexta-feira passada, ele e mais cinco companheiros, também pais de família, que pegavam material reciclável no Aterro Sanitário para vender nos ferros-velhos da cidade, foram proibidos pela fiscalização da prefeitura de voltarem ao local. “Ainda disseram que se voltarmos seremos presos. Fui à prefeitura e pedi que me arrumassem um serviço. Qualquer um, nem que fosse para limpar meio-fio, carpir terrenos, qualquer trabalho que me rendesse um pouco de dinheiro. Ficaram de ver, mas já faz uma semana. Esse tempo pode parecer curto, mas é uma eternidade para quem precisa colocar comida dentro de casa”, comentou avisando: “Voltarei no aterro de qualquer jeito. Não consigo nem um “bico” para levantar um pouco dinheiro. Sei trabalhar como pedreiro e pintor, mas nessa época não tem aparecido serviço. Também trabalho na colheita de café, mas ela só começa daqui um mês e meio. Até lá não sei o que acontecerá com minha família”, disse.

Um dos netos de Valter tem problemas mentais. “O médico receitou medicamentos que não encontro na farmácia da prefeitura e custam cerca de R$ 800. Não posso pagar. A volta as aulas também me deixam depressivo. O material escolar dos meus netos são os mais precários que existem. Alguns itens, já peguei no lixão”, contou. “Quero que eles tenham mais dignidade, que não sejam discriminados pela pobreza em que estão vivendo. Quero que eles usem roupas melhores, que frequentem a escola com materiais de qualidade. Quero que se orgulhem de mim”, disse emocionado.

COOPERATIVA DE RECICLÁVEIS

Já que a prefeitura não permite mais a presença de catadores de recicláveis no Aterro Sanitário por problemas de salubridade, e nem consegue oferecer uma alternativa de serviço para eles, Valter e seu amigo Carlos Roberto Ferreira sugerem que seja criada uma Cooperativa de Recicláveis. “Sabemos que a Promoção Humana faz esse serviço, mas a verdade é que ela não recebe nem um terço do que as pessoas jogam fora. Não existe uma política de conscientização nem um trabalho constante de coleta desses materiais. Sugerimos que seja formada uma cooperativa. Essa atividade já existe em diversas cidades vizinhas, até mesmo menores que Santo Antônio. A prefeitura só precisaria ajudar com equipamentos como prensa e esteira. No Aterro existe um barracão sem utilidade. Poderia ser aproveitado pela cooperativa”, explicaram.

Segundo os dois catadores, no aterro é possível encontrar uma diversidade enorme de produtos aproveitáveis, como garrafas pet, plásticos, fios de cobre, ferro, enfim, tudo o que os moradores põem no lixo por não saberem para onde encaminhar. “É impressionante o que achamos lá. Poderíamos ganhar dinheiro com a cooperativa. Muitas famílias deixariam de passar necessidades e não precisariam da assistência da prefeitura,” avaliou.

Valter disse que nunca procurou a Assistência Social do município para pedir ajuda. “Nunca fiz isso. Sempre me virei. Mas gostaria que um dos assistentes sociais fosse na minha casa para ver a situação que estou vivendo. Queria que abrisse o armário para ver se encontra comida lá dentro”, concluiu.