Santo Antônio da Platina / PR33º21º20 de Outubro de 2018
Jornal Tribuna do Vale - 17/10/2018

Edição ImpressaEdição 3704

Ler Jornal
VOO DO TRÁFICO

Droga avaliada em R$ 2 milhões seria entregue no litoral paulista

Helicóptero com mais de 140 quilos de cocaína e crack fez pouso forçado em Cambará por falta de combustível

Comentar
Compartilhar
12 JUN 2018Por Luiz Guilherme Bannwart18h38
Ação conjunta entre policiais militares de Cambará e Ourinhos resultou na grande apreensão de drogasFoto: Divulgação / PM

A droga apreendida pela Polícia Militar na noite de segunda-feira (12) em consequência do pouso forçado de um helicóptero no Estádio Municipal João Pereira Lima, em Cambará, por falta de combustível, seria entregue em Guarujá (SP). A carga de crack e cocaína avaliada em aproximadamente R$ 2 milhões estava escondida embaixo dos acentos da aeronave, que decolou do Paraguai e faria o reabastecimento em Ourinhos (SP) para seguir até o litoral paulista.

 

Após o pouso forçado em função do risco de pane seca no motor da aeronave, dois homens pularam um dos muros do campo de futebol e pediram auxílio aos moradores do bairro para buscar combustível na cidade paulista. O voo noturno, no entanto, gerou desconfiança na população, que comunicou a Polícia Militar.

 

A suspeita de que o helicóptero pudesse estar sendo utilizado no transporte de drogas e armas de fogo fez com que os policiais de Cambará solicitassem apoio à PM paulista para abordar os suspeitos, que acabaram detidos próximo ao posto da Polícia Rodoviária Federal na BR-153, já no estado vizinho.

 

Wagner Benavides Conti, 19, (piloto da aeronave) e Paulo Henrique Dias Madelha, 38, entraram em contradição durante os questionamentos dos policiais, e acabaram confessando que transportavam drogas do Paraguai para Guarujá (SP). O plano de voo, segundo os traficantes, previa escala para o reabastecimento do helicóptero em Ourinhos, mas o combustível acabou pouco antes da aeronave chegar ao destino.

 

Madelha é de Belo Horizonte (MG), e já cumpriu pena pelo crime de tráfico de drogas. Conti é de Vera Cruz (SP), e até então não possuía passagens pela polícia. Cada um receberia R$ 10 mil pelo transporte da droga.

 

O caso foi registrado na Delegacia de Polícia Civil de Cambará. Entretanto, por se tratar de tráfico internacional de drogas as investigações devem ser conduzidas pela Polícia Federal.

 

Blogs

Ver Todos os Blogs