Santo Antônio da Platina / PR33º21º18 de Setembro de 2018
Jornal Tribuna do Vale - 13/09/2018

Edição ImpressaEdição 3681

Ler Jornal

Política fiscal parece campo minado para futuro governo

Comentar
Compartilhar
13 SET 2018Por Manoel Pires17h03

Os últimos meses têm sido marcados por decisões que colocam o próximo governo, qualquer que seja a orientação, em uma encruzilhada, tendo que construir uma série de acordos políticos para viabilizar uma trajetória de estabilidade fiscal.

Os temas são conhecidos: Previdência, funcionalismo, salário mínimo, reforma tributária direta e indireta. Esses temas são recorrentes em qualquer mandato, mas hoje há menos margem de manobra para negociar.

Os assuntos fiscais pendentes de solução se avolumaram nos últimos meses. A percepção de que a situação se deteriorou ficou evidente com a greve dos caminhoneiros, que resultou na criação da subvenção para o diesel que custará R$ 9,5 bilhões e acaba no dia 31 de dezembro. No dia seguinte, o governo eleito vai ganhar esse presente.

Esse processo começou antes. No início do ano, o governo corretamente tentou rever a regra de ouro. Diante da repercussão negativa, empurrou para a frente e incluiu um dispositivo na Lei de Diretrizes Orçamentárias para enviar o orçamento descumprindo a regra.

O próximo governo terá que aprovar um crédito extraordinário de R$ 258 bilhões sob pena de ser acusado de cometer um crime de responsabilidade. O governo encaminhou uma medida provisória para adiar o reajuste dos servidores para 2019, com impacto de R$ 6,9 bilhões.

Essa medida é importante, mas é difícil, no atual ambiente, argumentar a favor do adiamento desses reajustes, tendo negociado o aumento do Judiciário. Na sequência, o governo terá que encontrar ambiente político para fazer um debate racional para a política de valorização do salário mínimo. Cada 1% de aumento custa R$ 3,9 bilhões.

Em seu primeiro ano como restrição efetiva, o teto de gastos poderá inviabilizar o orçamento. Em vez de favorecer as reformas, os grupos de poder ocuparam os últimos espaços disponíveis do orçamento.

As despesas discricionárias estão orçadas em R$ 102 bilhões. As estimativas são de que o governo precise de R$ 120 bilhões para manter seu funcionamento mínimo. O investimento público está orçado em R$ 28 bilhões, apenas 66% do investido nos últimos três anos e que já não cobria a depreciação do capital.

Em tempos de limites para a despesa, a política pública é financiada pelo perdão das dívidas tributárias. Os subsídios saíram de cena e abriram espaço para o Refis se proliferar.

De acordo com dados da Receita Federal, os últimos quatro Refis custaram R$ 75 bilhões, ou 42% do custo dos principais Refis editados nos últimos dez anos. A agenda de 2019 é pesada, mas era difícil prever que o governo deixaria um campo minado para o seu sucessor.

Manoel Pires, coordenador do Observatório de Política Fiscal da FGV/Ibre e pesquisador da Faculdade de Economia da UnB; ex-secretário de política econômica do Ministério da Fazenda
link editorial
https://www1.folha.uol.com.br/opiniao/2018/09/politica-fiscal-parece-campo-minado-para-futuro-governo.shtml

Blogs

Ver Todos os Blogs