Santo Antônio da Platina / PR33º21º20 de Outubro de 2018
Jornal Tribuna do Vale - 17/10/2018

Edição ImpressaEdição 3704

Ler Jornal
S.A.PLATINA

Zezão admite desvio de função

Em vídeo divulgado no último fim de semana, prefeito diz que arquiteta foi nomeada para fazer projetos

Comentar
Compartilhar
13 JUN 2018Por Da Redação21h16
Zezão admite em vídeo que nomeação de arquiteta tem como objetivo único a elaboração de projetosFoto: Antônio de Picolli

 

O prefeito de Santo Antônio da Platina, José da Silva Coelho Neto, o Professor Zezão (PHS), em vídeo que distribui nas redes sociais no último final de semana, pela primeira vez veio a público para rebater uma séria de críticas que vem recebendo na imprensa e setores da comunidade, mas em uma de suas abordagens admitiu que a nomeação da arquiteta Mayara Garcia Martins como diretora do Departamento Municipal de Obras e Serviços Urbanos tem como objetivo único a elaboração de projetos de pavimentação urbana, que estariam custando “uma fortuna” aos cofres do município.

Como diretora do Departamento de Obras e Serviços Urbanos, a arquiteta teria uma série de atribuições inerentes ao cargo, mas o prefeito foi taxativo ao assinalar que a função da profissional é elaborar projetos de obras de pavimentação. Ele justificou que o município estaria economizando uma fortuna, pois gastaria cerca de R$ 400 mil em quatro projetos de pavimentação, enquanto que nos quatro primeiros meses deste ano em que ocupa o cargo, custou em média R$ 6 mil mensais. Vale lembrar que, com pouco menos de cinco meses no cargo ela já pegou férias.

Além do desvio de função, já que o município assinou com o Ministério Público um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), se comprometendo a eliminar esta anomalia do serviço público, o vereador José Jaime Mineiro (PSDB), se assustou com o montante que o prefeito admite que teria gastado caso tivesse contratado um escritório de engenharia. “Onde o prefeito fez esse orçamento admitindo que o município iria gastar R$ 400 mil em quatro projetos? O secretário Abelardo Lupion, da Infraestrutura e Logística do Paraná, me disse que vai gastar menos de R$ 5 mil pra fazer o projeto da pavimentação do bairro Aparecidinho 3. Alguém precisa clarear a cabeça desse prefeito”, ironizou mineiro. Para o vereador, isso explica porque a prefeitura superfaturou em cerca de 400 a compra de câmeras de ré para os veículos do transporte escolar.  

Quem manda na prefeitura

Outra abordagem infeliz de Zezão refere-se à crise de autoridade que ele enfrenta logo após assumir a prefeitura, no início de 2017. Tido como fraco e sem voz ativa, quem acabou se destacando na administração do Município foi o secretário de Planejamento, o coronel reformando da PM, Ayrton Diniz, que aparece na cidade como o “prefeito de fato”. Zezão tentou reverter essa imagem negativa, mas piorou as coisas, virando piada nas redes sociais. “O Zezão manda, mas depois de receber ordens do coronel!”. Esta é a reprodução literal de uma das centenas e postagens em redes sociais.

Economia

Um dos pontos mais enfatizados por Zezão em sua gravação é a suposta economia de recursos que estaria promovendo por conta de medidas de contenção de gastos que teria adotado. Ele fala em algo em torno de R$ 800 só com projetos de infraestrutura, publicações em jornais, entre outros. Ele não contou, por exemplo, que no início deste ano abriu uma licitação para contratação de empresa para manutenção da frota municipal. O primeiro edital, que foi anulado por conter irregularidades, previa um gasto de pouco mais de R$ 900 mil. O segundo edital, cujo pregão ocorreu há poucos dias, para o mesmo serviço, o valor pulou para mais de R$ 1,5 milhão. “O que teria ocorrido em tão pouco tempo para o orçamento dar um salto de mais de R$ 500 mil?”, que questiona Mineiro.

Prefeito vingativo

O prefeito platinense, José da Silva Coelho Neto, carinhosamente chamado pela população como professor Zezão, sempre foi visto como figura querida, respeitada por todos. Vereador por duas vezes ocupou secretarias nas gestões dos ex-prefeitos Flávio Maiorky e Pedro Claro. Nas duas oportunidades ele deixou os cargos por incapacidade de gerenciar conflitos.

O lado religioso, de bom pai de família, simpático com todas as pessoas com quem lidava, além do profissional de educação física que treinou gerações de estudantes, facilitaram o caminho à prefeitura.

Passados alguns meses, o prefeito vem se transformando, revelando uma faceta desconhecida, a do homem vingativo, que não admite ser confrontado. É assustador, revela o vereador Mineiro, uma das vítimas do rancor de Zezão. “Com cerca de duas décadas como vereador em Santo Antônio da Patina, participando da situação e da oposição, já encontrei figuras difíceis de lidar, mas nada como o atual prefeito Zezão! Ele é alimentado pelo ódio. É assustador! Como político que baseou sua campanha na Igreja Católica, não dá para acreditar. Fico pensando de onde vem tanto rancor e ódio?”.

Com esse desabafo Mineiro resume no que se transformou esse personagem, antes visto como símbolo da paz e do equilíbrio. O vereador cita um caso recente em que representou a Câmara num evento religioso que aconteceu em frente à prefeitura. Durante toda a missa, Mineiro diz que o prefeito sequer lhe dirigiu um cumprimento, um olhar. “Nem na Eucaristia, na hora em que o padre consagra a hóstia sagrada e o vinho, o prefeito foi capaz de esboçar um gesto de simpatia, de humanidade”, estou assustado.

A Tribuna do Vale tem conhecimento sobre o caso de uma conselheira tutelar que realiza um trabalho reconhecido por toda a comunidade, que esteve ameaçada de perder o cargo por perseguição implacável do professor Zezão, que teria se aproveitado de um episódio pessoal na vida da profissional, para acionar o Conselho Municipal de Defesa do Menor e do Adolescente (CDMA), com maioria de membros ligados à administração. Foi aberta uma sindicância para apurar o fato e eliminar a conselheira. Isso só não ocorreu porque as evidências de perseguição chegaram a um ponto vergonhoso, insustentável. O caso acabou arquivado.

Esse é apenas um dos casos de pessoas vítimas da ira de um perseguidor implacável, gestado dentro dos movimentos sociais da Igreja Católica, cuja atuação envergonha os mais lúcidos, mas ainda existem aqueles que acham que professor Zezão é o melhor e mais humano dos prefeitos.

     

     

 

Blogs

Ver Todos os Blogs