Santo Antônio da Platina / PR33º21º18 de Novembro de 2018
Jornal Tribuna do Vale - 13/11/2018

Edição ImpressaEdição 3722

Ler Jornal
OS ECOS DE WITTENBERG

O Legado da Reforma Protestante 500 anos depois.

Comentar
Compartilhar
27 OUT 2017Por Da Assessoria23h30

Quando a Reforma irrompeu em 31 de outubro de 1517 da mão de Martinho Lutero, a igreja não apenas representava, como hoje, a dimensão do religioso. Ela representava o corpo publico, dela fluíam as formas e maneiras como se organizava a vida aqui e agora. Por isso, quando a Reforma começou acontecer teve um impacto em absolutamente todas as dimensões da vida: desde os mosteiros ate os palácios, desde o campo ate a cidade, desde a religião ate a política, cultura, arte, jurisprudência, conceito do ser humano, cosmovisão etc. Tal foi a força da Reforma na historia que não é exagero colocá-la com uma das fontes da modernidade. Considerando isto, desde o ponto de vista religioso podemos destacar três aspectos centrais da Reforma Protestante:

A Reforma como um encontro com Deus: a Reforma não surgiu de um diagnostico da realidade social, política ou religiosa. Ela surgiu de um encontro com Deus: o monge Lutero e sua culpa alcançado pelo Deus de Graça. Aqui esta a gênese da Reforma. Por tanto, no centro da Reforma se localiza, não o perspicaz e temperamental Lutero, mas sim um homem quebrantado sob a grandeza da graça divina, um encontro pessoal com Deus, um redescobrimento de Deus. Foi esta experiência que abriu os olhos de Lutero para perceber a decadência da causa de Deus no mundo.

A Reforma como um encontro com o evangelho: a pedra angular de todos os movimentos de renovação e avivamento da obra cristã é o redescobrimento de verdades esquecidas das Escrituras. Depois do seu encontro com Deus a primeira coisa que Martinho Lutero percebe é que a Igreja como instituição, tinha adquirido a primazia sobre o evangelho. Também percebe que era uma igreja onde se evidenciava a primazia do misticismo sobre o evangelho. Quando Lutero compreende a justiça que se revela por fé e para a fé, pela primeira vez percebe a imperiosa necessidade de reformar a igreja devolvendo a primazia do evangelho sobre todas as coisas. Na dieta de Worms, em 1521, Lutero sintetiza isto dizendo a rei: minha consciência está cativa ao evangelho.

A Reforma como um reencontro com a soberania de Deus: o tema central da Reforma é a soberania de Deus. Para os reformadores, Deus é a fonte de toda existência e dispõe das suas criaturas como lhe praz. O celebre intelectual Voegelin costumava falar do “Deus implacável de Lutero e Calvino”. Os reformadores sintetizam esta verdade na máxima “Somente a Deus a Gloria”, querendo dizer que o cristão deverá, como toda a criação, se deleitar em Deus e viver para sua gloria como seu supremo objetivo.

Juntamente com sua significação religiosa, a Reforma também trouxe mudanças profundas que forjaram aquilo que depois viria ser chamado de modernidade e que pelo breve espaço quase que apenas as sumariamos. Vejamos alguns eventos que a Reforma propiciou:

A Reforma propiciou o enfraquecimento da igreja e o fortalecimento do Estado: com o enfraquecimento da ICAR como corpo publico esta começou a ser substituída pelo Estado. Juntamente, a religião começou a ser substituída pela política para finalmente acabar transformando a política numa religião. Para alguns o fortalecimento do Estado pode ser algo virtuoso, para outros uma tragédia. Vai depender desde que ponto de vista façamos um juízo de valor; mas foi a Reforma que catalisou a formação e o avanço do Estado Moderno.

A Reforma propiciou o surgimento de um homem novo: para os reformados, aqueles que se salvam são os predestinados. Estes descobrem seu propósito para qual foram criados: deleite em Deus e a Glória de Deus. Por isso submetem e transformam o mundo para a glória de Deus pelo trabalho infatigável, sistemático e disciplinado. Assim, a verdadeira fé é verificada e autenticada pelo sucesso da ação do crente.  Surge assim um homem diferente ao homem medieval, que não teme as mudanças, antes trabalha para suscitá-las, que age no mundo transformando-o e que o adéqua para um fim: a Gloria de Deus e a autenticação da sua predestinação. Desta ética surge a corrente filosófica do Pragmatismo. Quando com o passo do tempo a busca por eficácia se separou do aspecto religioso, ficou apenas aquela busca incessante do homem moderno por sucesso, o homem pragmático e de ação que adéqua o mundo pára seus próprios fins, tão característico do homem ocidental.

A Reforma propiciou o terreno adequado para o surgimento da democracia: os presbiterianos reformados estavam voltados para o governo representativo, os reformados congregacionalistas eram democracias religiosas e os calvinistas e puritanos ingleses praticavam o consenso e o pacto (covenant) como forma de organização social. Estas formas de organização religiosa forjaram o ambiente ideal para o surgimento da democracia moderna.

A Reforma propiciou a liberdade de consciência: Para Lutero, o cristão, liberado do pecado, de si mesmo, de toda coerção exterior, de todo dever baseado em leis e preceitos é inteiramente livre em sua consciência e não depende de nada exterior. Para o cristão sua fé é suficiente. Suas ações não são resultado da sua obediência, mas de uma vontade regenerada. Como fruto desta liberdade, Lutero conclui que: ninguém pode ser obrigado a crer contra sua consciência, ninguém pode mandar na alma, somente Deus; todos os cristãos são iguais para compreender a Palavra de Deus, para isso basta crer. Quando na modernidade este conceito se separa da sua matriz religiosa aparece o homem que se levanta como critério da sua própria certeza.

Em esta breve relação de consequências da Reforma, percebemos um movimento concêntrico: Deus mudando um homem para mudar a igreja que por sua vez mudará o mundo. É intrigante perceber que na historia da renovação da igreja Deus sempre usa este método. Em Josué 4.21-24 lemos que Deus disse: quando no futuro os vossos filhos perguntarem o que significam estas pedras? Respondereis: Israel passou em seco este Jordão. Na celebração de 500 anos da Reforma a melhor homenagem que podemos fazer é nos perguntar sobre o significado de tudo que aconteceu. Descobriremos quão semelhante era a igreja e o mundo que os nossos pais na fé quiseram renovar com a igreja e o mundo que temos hoje diante de nós. Então ficará a pergunta em nosso intimo: estamos a altura da clareza, coragem, ousadia, preparo dos que nos precederam na fé para empreender essa saga que tudo transforma? Deus queira que sim!

Soli Deo Gloria!

Blogs

Ver Todos os Blogs